Entrevista

Casa Bauducco deve faturar cerca de R$ 110 milhões em 2019

Por  | Foto Divulgação  | 10/2019 | Edição 226

Marca superará 81 lojas neste ano, incluindo a abertura da primeira operação no exterior

A diretora de expansão e franquias da Casa Bauducco, Renata Rouchou

Que tal uma fatia de panettone com café? Essa é a dobradinha mais pedida na Casa Bauducco, marca que nasceu em 2012 e, desde então, vem apresentando resultados para lá de positivos. Se em 2018, a rede faturou R$ 62 milhões, neste ano deverá passar dos R$ 110 milhões e chegar a 81 lojas. E grande parte desse sucesso se deve ao setor de shopping centers.

“As operações nesses empreendimentos representam 85% do total hoje. Naturalmente, é o segmento de maior concentração de lojas e o de maior crescimento da rede. O setor é muito importante, porque é o cluster mais expressivo dentro da expansão da marca”, destaca Renata Rouchou, diretora de expansão e franquias da Casa Bauducco, lembrando que no início de 2019 a marca contava com 55 operações.

85% das lojas da Casa Bauducco estão instaladas em shopping centers

“Vendemos 30% a mais que na Páscoa deste ano. Os números são bem expressivos e estamos bem animados para o Natal.”


Êxito nacional

A loja número 1 da Casa Bauducco está na Alameda Lorena, na região central da capital paulista. Após três anos de desenvolvimento e aprimoramento do modelo, que mescla empório e cafeteria, teve início o sistema de franquias. A primeira foi aberta no Shopping Ibirapuera, também em São Paulo, em 2015, e desde então elas se espalharam pelo país. “Já inauguramos em Salvador e Fortaleza, no Nordeste. No Centro-Oeste, abrimos em Goiânia e Brasília. Já estamos também em Curitiba, Balneário Camboriú e Porto Alegre”, destaca Renata.

A única região do país que ainda não recebeu uma operação da marca foi o Norte. De acordo com a diretora de expansão e franquias, a estratégia inicial é estar presente nas capitais e depois seguir uma distribuição logística, abrindo espaço no interior.

“Ainda temos muitas lojas para abrir nas capitais em que já estamos e muitas nos municípios em que não estamos. Começamos pelo segmento de shopping centers quando vamos para estados novos, comprovando ainda mais a importância do setor para nós. É possível chegar até o final de 2020 a Manaus e Belém.”

Além da expansão nacional, a rede atravessa as fronteiras para abrir uma loja em Lima, no Peru

“A Bauducco, como indústria, sempre teve um DNA de inovação. Quando se fala em inovação, pensa-se muito em tecnologia, mas não é só isso. É inovação industrial, de processo e produto. O próprio panettone em fatia já é uma inovação na maneira de consumo.”


Abrindo fronteiras

Os braços da Casa Bauducco também estão se estendendo pela América do Sul. Em breve, os peruanos poderão desfrutar das delícias brasileiras. Uma operação da marca será aberta em novembro em um shopping do país. “Lima é o segundo maior mercado em consumo de panettone per capita. No Peru, também existiu uma família italiana que criou uma fábrica e introduziu esse alimento, assim como aconteceu com os Bauducco no Brasil. Eles têm por hábito comer panettone como nós”, explica Renata.

De acordo com a executiva, a internacionalização ocorrerá paulatinamente, já que a prioridade continua a ser a expansão nacional. “É passo a passo. Temos que ter cuidado, porque cada mercado é muito distinto. Se der certo, vamos montar outras lojas em Lima. A ideia é que franqueados de lá tenham outras unidades nos próximos anos. Depois, com calma, pensaremos em outros mercados.”

Em terras brasileiras, o negócio está esbanjando saúde, tanto que para 2020, a perspectiva é passar das cem lojas, um marco importante para qualquer empresa, e ampliar a indústria situada em Guarulhos, SP. Investimentos em tecnologia também estão previstos para incrementar as lojas.

Em 2020, a Casa Bauducco planeja ultrapassar o número de cem lojas e ampliar a indústria situada em Guarulhos, SP

Futuro promissor

“Daqui a cinco anos, imagino a Casa Bauducco com pelo menos 500 lojas. Fora do Brasil, estaremos com operações pontuais em, pelo menos, seis mercados. O que fazemos, hoje, impacta na Bauducco. Agregamos muito valor à marca principal. Atualmente, temos um público executivo muito importante que não tinha contato com nossa marca”, frisa Renata.  


Raio-X da Casa Bauducco
7 anos de vida
81 lojas até o fim de 2019, sendo uma no Peru
R$ 110 milhões é a previsão de faturamento para esse ano
650 colaboradores nas lojas
70 funcionários atuando na fábrica e departamento administrativoF


“Todo brasileiro se identifica com a marca Bauducco e tem uma lembrança bacana dela com a família. Esse retorno é excelente e é uma ligação emocional sensacional que dá confiabilidade ao produto.”