Palavra do Presidente

Em compasso com o novo

Por  | Foto Edy Danessi | 10/2019 | Edição 226



Presidente da Abrasce

Recentemente, estive na China visitando os principais e mais modernos empreendimentos do varejo asiático. Tive a oportunidade de conhecer várias operações, dentre as quais o Hema, supermercado tecnológico do Alibaba Group. A operação une com maestria o varejo físico e o online, em uma sinergia que traz eficiência e qualidade no serviço oferecido. Para dar apenas um exemplo, todos os caixas são self-checkouts, com pagamentos via reconhecimento facial.
Por aqui, acredito que o “novo varejo” (como o fundador do Alibaba, Jack Ma, refere-se ao que conhecemos como negócios omnichannel) já está chegando! Percebemos claramente que automação e robotização estão cada vez mais presentes em todas as áreas dos nossos shoppings – seja em um drone para auxiliar a segurança, autoatendimento para pagamento de estacionamento ou chatbot para atendimento ao cliente. Além disso, podemos afirmar que quando se fala de experiência e entretenimento, os malls brasileiros estão à frente de muitos países. Se a China possui o Shanghai K11 Art Mall, que une arte e experiência, os shopping centers brasileiros não ficam atrás. Por aqui, os parques de diversões e opções de lazer estão cada vez mais presentes nos empreendimentos de Norte a Sul do país. As operações de entretenimento ganharam relevância no mix do setor e geram grande fluxo de visitantes, confirmando que essa tendência chegou para ficar.
A Abrasce tem muito orgulho de ter desempenhado um papel importante nessa evolução, fomentando a discussão e divulgando boas práticas do setor. Este é, inclusive, o tema da principal matéria desta edição, que traz, entre outros artigos, a cobertura completa da 2ª edição do Enasuper – Encontro Nacional de Superintendentes. Durante dois dias, mais de 300 superintendentes de todo o Brasil passaram pelo evento, que é um hub de experiência, conteúdo e inovação, e puderam ver, na prática, como esses pilares atuam em conjunto a favor dos negócios. A lição de casa é comum para brasileiros e chineses: inovar sempre!
Boa leitura!